quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Flashback Musical


Vou confessar, o post da Renatinha me inspirou a fazer o meu próprio "flashback-musical"!!
Por mais constrangedor que seja...
(ah, e sem links pras músicas. vcs lerem sobre isso já é constrangedor, não vou fazer vcs escutarem também!)

Uma das minhas memórias mais antigas (tirando coisas como Balão Mágico e Trem da Alegria) é escutar no carro, indo pra escola, uma fita cassete de músicas sertanejas que minha mãe teimava em enfiar goela abaixo em mim e no meu irmão (e a gente adorava, lógico!). E tenho uma vaga lembrança da trilha sonora da novela Sassaricando, de uma fita cassete da Daniela Mercury, e de alguma coisa do Chico Buarque...
Eclético? Pode apostar!!

Depois dessa fase, a coisa mais antiga que eu lembro ter gostado por conta própria foi do álbum de estréia do Gabriel, O Pensador, em 1993! Eu passava horas decorando coisas como Hoje Eu to Feliz (Matei o Presidente), ou Retrato de um Playboy, ou LôraBúrra...
Pra mim, esse cara foi o maioral pelo menos até o terceiro álbum dele, Quebra-Cabeça, lá por 98. Depois disso, só escutei algumas músicas aleatórias aqui e ali.

Em 1994, meu irmão me gravou um cassete com o álbum que mudaria a minha vida pra sempre.
Era o Dookie, do Green Day, que por muito tempo foi minha banda internacional favorita!!!
Eu lembro que o auge pra mim eram as paradas no meio das músicas, tipo "Welcome to Paradise" e "When I Come Around". Caceta, aquilo tudo era muito legal, principalmente pra um garoto de 7 pra 8 anos que nunca tinha escutado rock.

Em 95 começou a minha fase Raimundos, depois de escutar o Lavô Tá Novo, segundo álbum deles. Minha primeira lembrança disso foi meu melhor amigo Raphael me mostrando o CD na sala de aula e a gente repetindo "ela gosta de saco grande pq quando balança enche o cu de terra, opa, peraí, caceta..." durante dotas as manhãs.
Daí eu descobri ainda que meu irmão tinha o primeiro CD da banda. Escutei, viciei, sai de loja em loja procurando o segundo pra comprar e foi assim que o Raimundos virou A banda, pra mim.
Pelo menos até o ano seguinte...
(Aliás, foi também em 95 que eu comprei duas fitas-cassetes que mudaram a minha vida por alguns meses: Mamonas Assassinas e Rap Brasil!!!)

Em 96, morreu o Renato Russo.
E foi quando eu realmente descobri a Legião Urbana!!
Quer dizer, lógico que eu já tinha escutado uma porrada de músicas deles, mas foi nesse ano que eu realmente me interessei pela banda, e comecei a comprar tudo sobre ela. Álbuns oficiais, coletâneas, CDs ao vivo... tudo!!!
Músicas como "Faroeste Caboclo", "Indios" e "Eduardo e Mônica" eram as que eu mais cantava (gritava) no chuveiro.
E mesmo que hoje eu perceba que eu superestimava bastante a banda, eu sempre vou lembrar que foi com ela que eu comecei a prestar uma atenção mais cuidadosa nas letras de música.

1997 foi a minha Era-Hanson.
Não acho que eu precise falar muito mais que isso, sabe...

Enfim, depois disso eu não tenho mais muita noção cronológica quanto ao que foi aparecendo.
Lembro de que "My Heart Will Go On", da Celine Dion, foi a primeira música em inglês que eu decorei, aos 11 anos (caceta, que vergonha que deu escrever isso), seguida de "Fly Away From Here", do Aerosmith.
Lembro que meu irmão acabou me apresentando coisas como Nirvana, Sublime, Kiss, Silverchair, Matchbox Twenty, No Doubt...
Sim, eu posso dizer que meu irmão moldou meu gosto musical internacional.

E daí cheguei aos anos 2000.
Logo em 2001, eu conheci o Weezer.
E dai sim eu posso dizer que minha vida não foi mais a mesma!
Seja pelas letras geniais, pelas melodias grudentas ou simplesmente pela aparência nerd incomum na maioria das bandas, o Weezer me hipnotizou de um jeito que nenhuma outra banda tinha feito comigo.

Foi em 2001 também que eu dei uma chance ao segundo álbum do Los Hermanos, o Bloco do Eu Sozinho.
Se com Legião eu aprendi a prestar atenção nas letras, com Los Hermanos eu aprendi a ama-las de verdade, como se cada uma delas de algum jeito fosse sobre mim mesmo.
E foi isso que acabou me levando a coisas como Chico Buarque (além da ajuda de uma professora de português que me emprestou vários CDs dele) e MPB em geral.
(Aliás, vale dizer que o que primeiro me atraiu no Bloco foi o fato de várias músicas se parecerem bastante com... o Weezer! Então devo isso também aos nerds californianos)

Foi também em 2001 que eu conheci (e me viciei em) Strokes.
Era impressionante o fato que TODAS as músicas daquele primeiro CD deles fossem tão perfeitas.
E se Los Hermanos expandiu minha cabeça para a música brasileira em geral, Strokes acabou me levando a coisas como Libertines, que por sua vez me mostrou todo o cenário indie.
Arctic Monkeys, por exemplo, eu comecei a escutar para preencher o espaço que o Libs deixou depois do seu fim.
E tudo isso acabou criando o que eu sou hoje.

É engraçado, isso.
De certo modo, mesmo nossos gostos mais constrangedores do passado acabaram moldando nosso gosto atual (que, no caso de algumas pessoas, continua sendo constrangedor).
Então eu agradeço pelas músicas sertanejas, pelo Sassaricando, pelo Hanson, pela morte do Renato Russo, pela LôraBúrra, pelo Titanic e pelo "opa, peraí, caceta"!
Do ridículo ao sublime, eu não estaria escrevendo para esse blog se não fosse tudo isso.

Para o bem ou para o mal.

8 comentários:

Tarsila disse...

1997: mmmmmmbop ba duba dop da du bop ba du bop ba duba dop ba duuuuuuuuu

boas lembranças! eu gostava de chiquititas, sandy&jr :3 mas gostei de los hermanos desde anna júlia, ahahaha. só que não aguentavam mais ouvir em casa, quando eu pedi o cd de presente... ganhei dos raimundos. DEIXA EU FALAR FILHA DA PUTAAAAA, EXPRESSÃO.
você não teve uma fase linkin park? to chorando :(


e branca, every night in my dreams i see you, i feel you (8)

Mar e Ana disse...

Eu tbm decorei "My heart will go on and ooonnn"!! foi uma das primeiras em ingles, daí me joguei no Hanson, Backstreet Boys e Five, que nem a Re =p

:***

Mar e Ana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Douglas Funny disse...

Juro que agora terei que copiar a idéia do post. Não cobrem direitos autorais por isso.

Tchelo disse...

Branca, vc foi uma criança punk, se tornou um pré-adolescente homossexual e depois virou nerd.
Pelo menos isso que pareceu hahaha ;)

Renatinha disse...

Você tinha dito que a primeira era "Fly awaaaaaaaaaaaaaay"!
Eca, Legião é muito chato... depois vc fala de Patricia Marx.

Guilherme disse...

Vc tinha 7 pra 8 anos na época do "Dookie"??

Sensacional!!

Carlos EJT Vázquez disse...

"Músicas como "Faroeste Caboclo", "Indios" e "Eduardo e Mônica" eram as que eu mais cantava (gritava) no chuveiro."

Eu podia ter passado sem essa imagem mental... agora xo continuar lendo o post...