domingo, 8 de fevereiro de 2009

It's not me, it's you!


O segundo cd da Lily Allen sai nessa segunda-feira (mais conhecida como 'hoje'), mas a cantora já disponibilizou as músicas no seu myspace... então nada mais justo que trazer para os nossos amados leitores a opinião dessa pequena garota que aqui escreve.
[sejam bonzinhos comigo, é a pimeira vez que escrevo uma crítica mais detalhada de um cd]

O album, que se chama It's no me, It's you, não conta mais com o badalado produtor Mark Ronson. Lily trabalha com o integrante do The bird and the bee, Greg Kurstin. Isso na minha opinião foi um dos motivos pelo qual o cd perdeu um pouco da cara divertida que Lilly havia ganhado com o Alright, Still.
Mas seria absurdamente injusto culpar apenas a mudança de produtor, afinal essa questão é quase nada perto do fato de que tudo que a Lily passou no ano passado afetou profundamente sua composições (e quem pode culpá-la?). A garota abandonou um pouco a postura de rir de todos seus problemas e se mostra muito mais vunerável, bem mais parecido com os textos que a Lily costuma postar em seu blog, e esse cd ganhou uma cara mais sincera e mais pessoal.

Nesse cd ela se rende mais ao new rave (o que sinceramente já me cansou um pouco) abusando dos sons meio espaciais e batidinhas de pista nas músicas, e conta com mais baladas que o cd anterior.
Lily manteve a qualidade... o cd novo não é nem melhor e nem pior do que o anterior, digamos que preferir um ou outro é uma questão do seu estado de espírito.


- Everyone's at it: Uma batida de balada e umas sirenes. É assim que começa a música em que Lilly fala sobre seus vícios... que vão desde o famoso pó branco até os remédios com receita. A sirene persiste a música toda. É animadinha, não chegaria a uma pista de dança, mas é bem agitadinha. O vocal da Lily lembra muito o cd anterior, com partes meio faladas e tal.

- The Fear: Todo músico famoso meio perturbado (ou não) vai escrever uma música assim na sua carreira. A música falada vida, da fama, do dinheiro... Essas coisas que mexem com a cabeça deles. Uma baladinha com efeitos que fazem o estilo new rave.

- Not Fair: Peguem suas pistolas e seus chapéus de caubói, preparem-se pra um duelo. É essa a sensação quando a música começa. A vibe faroeste é MUITO divertida!!! Nela a Lily reclama que o cara é perfeito, mas na hora H (se é que vocês me entendem) ele é um egoísta. Ok, ... se ela gosta de dividir essas coisas, quem sou eu pra julgá-la? Sério... tô quase fazendo uns passinhos country enquanto escuto, tem até parte que parece que é só palminhas...

- 22: Crise dos 22 anos, eu também to tendo... Ela fala sobre medos, expectativas e a falta delas também. Música mais calminha com estalar de dedos no fundo. Coisa pra cantar com amiga/amigo no carro, sabe?! Fechando os olhos e dando um sorrisinho.

- I could say: A balada do cd. É música de fim de relacionamento, mas não do lado depressivo... é mais "agora estou livre". É bem gostosa de ouvir, baladinhas cabem bem na voz da Lily.

- Back to the start: Lily se joga nos sintetizadores e tenta mandar todo mundo pra pista... enquanto fala mal da irmã. Ok, estou exagerando... na verdade, ela meio que pede desculpas por ter passado anos a odiando por ser mais bonita e mais amada.

- Never gonna happen: A música alterna entre uma cara de espetáculo de circo e um refrão adorável e fofinho. E isso tudo pra dizer pra um cara que nunca quis e nem nunca vai querer nada com ele. Uma das minhas favoritas desde já.

- Fuck you: É uma das músicas com a melodia mais adorável do cd. Pois é...! Uma das caraterísticas da Lily Allen sempre foi conseguir fazer esse tipo de paradoxo. Tem piano, tem vozes infantis cantando "fuck you", backing vocal... Enquanto ela diz tudo que pensa sobre alguém. "Fuck you, very, very much".

- Who'd have known: A música trata de um começo de relacionamento, sobre não saber pra onde as coisas vão mas estar adorando como está. Uma baladinha romântica que tem grandes chances de aparecer nas paradas de sucesso.

- Chinese: Lily fala sobre apreciar as coisas simples da vida, como comer comida chinesa e ver tv com alguém que se ama. Admito que acho a melodia meio chata e a voz dela meio arrastada (sem contar a insitência nos sintetizadores).

- Him: Com um violãozinho tocando de fundo, uma batidinha agradável e o maldito sintetizador dando toques suaves, Lily se pergunta sobre deus e Sua relação com as coisas mundanas. Ela quer saber se o carro Dele tem seguro, coisas assim...

- He wasn't there: A música te transporta pra um filme antigo, a melodia divertida te dá a sensação de estar assistindo àqueles filmes de família antigos, tem até o barulho do filme rodando de fundo. O que combina com a letra que é basicamente a Lily dizendo pro pai que, apesar dele não estar por perto sempre, ela o ama e aprendeu muito com ele.


Lily mostra que sabe fazer um pop de qualidade e que mais do que rir de seus problemas, sabe como externar o que sente e transforma em músicas que embalarão nossas trilhas sonoras.

7 comentários:

Brancatelli disse...

Aiai... pela crítica, eu vou me apaixonar ainda mais por ela!
Eu até ia pedir pra vc me gravar, mas agora que eu vi que tem uma foto dela na capa, eu preciso comprar esse CD!!! S2

De qualquer jeito, o primeiro album é muito bom!
Pelo que eu li, esse segundo não chega a ser melhor, mas as críticas tão falando bem.
Então preciso ouvir e tirar a prova.
Mesmo que eu me decepcione... mas tudo bem. O amor é cego, surdo e retardado, né!!!

Renatinho... disse...

A Lily Allen é coisa linda *---*
Mas então, eu só ouvi ainda essa "The Fear" que a mtv ta tocando tanto, tem uma baladinha e talz que me agradaram...
Quando eu tiver sem nada pra fazer ou alguém Renata me lembrar eu baixo e escuto todo.
Enfim, to no aguardo do seu vídeo fazendo a dancinha country, mana xD

BEIJAOO
=**

blogisalosinggame disse...

eu baixei mas ainda não ouvi o cd novo dela, mas realmente gosto de the fear, o clipe é bem legalzinho tb....

beijos

Tarsila disse...

me jogueeeei no cd e gostei da vibe new rave. :D

Caroline disse...

Fiquei com dó do cara de "Not Fair"! Foi mt Catraca a Lily nessa música (Falo meeeermo, tô mentindo?)... ou o cara mereceu, num sei. Mas q a música faz vc querer dançar, faz mesmo.

davi disse...

muito legal o post!!
só que o nome dela não é LiLLy e sim Lily...
mas da nada não!!

Renatinha disse...

Nossa... podia jurar que era com 2 'L's!
Mas arrumei já, obrigada.