quarta-feira, 10 de setembro de 2008

T.H.E.H.I.V.E.S.


Aqui estou eu na difícil tarefa de transformar em palavras a experiência de ir a um show do Hives.


Preciso começar explicando que só lendo esse texto você não terá 1 milésimo da noção do que foi estar lá...


Quando os roadies do Hives começaram a arrumar o palco minha tensão começou.

Entrou a bateria do Chris, toda estilizada... Trouxeram os amplificadores que tinham estampados os nomes dos integrantes que os usavam. Dois microfones foram colocados, então eu e minhas amigas nos perguntamos qual seria o do Pelle... nossa pergunta foi respondida logo a seguir quando um roadie posicionou um pedestal com um microfone que devia ter mais ou menos uns mil metros de fio.

As luzes apagaram e o brasão com um ‘H’ preto e branco surgiu no telão. Meu coração batia quase tão rápido quanto na hora em que eu os havia encontrado na sessão de autógrafos.

“A stroll through hive manor corridors” começou a tocar e eu tive certeza que se não morri do coração naquela hora, não morria mais. Meu coração veio na boca. Era agora... era nesse momento que minha visão do que era um show mudaria.


Eles foram entrando, um a um... com aquele terninho e gravata listrada. Hollowin’ Pelle entrou no palco. "Hey little world” começou e esqueci que tinha um mundo a minha volta.

Sabe quando você diz “Ah, esse aí nasceu pra ser médico? Sempre preocupado e querendo cuidar de todos” ou “Essa nasceu para ser professora...adora ensinar.”, então... aqueles 5 nasceram para serem rockstars! Nasceram para estar num palco...!!! Todos estão absurdamente a vontade com o que fazem e mostram muita competência em suas determinadas áreas... mas não tem como não destacar 3 integrantes:


O baterista Chris Dangerous, com sua bateria um pouco elevada para aparecer melhor pro público, já que seria um baita desperdício ninguém conseguir ver seus malabarismos com as baquetas, os momentos em que fica quase de pé tocando com uma energia contagiante e carregando no canto da boca um cigarro pra fazer a imagem de cafajeste!


O guitarrista Nicholaus Arson, como diz uma amiga, parece que fugiu de um manicômio e resolveu fazer uma banda. Olhos arregalados, não parando quieto, andando pelo palco inteiro... parando na frente das pessoas e lambendo o dedos e encostando em si como quem diz “estou fervendo, baby”. Indo até a platéia, deixa as pessoas tocarem na sua guitarra com uma expressão de “estou te dando a honra de tocar nela”. Genial...!


E pro fim, seu irmão e “vocalista, vocalista” (ele repetia as palavras e apontava pra sim mesmo) Pelle Almqvist. A energia desse sueco, que em seus trejeitos mistura Iggy Pop com Mick Jagger criando um estilo Pelle de ser, não permite que você desanime nem por um minuto, eles transforma os intervalos das músicas um momento de intimidade entre ele e o público... ora elogiando a banda, ora dizendo ‘eu te amo’ (que eu fui uma das responsáveis pra ele saber como dizer) para quem estava ali. Antes de começar cada música ele fazia uma introdução divertida e brincava com o público. Com algumas simples palavras aprendidas em português, ele mostrou que é capaz de controlar qualquer platéia em qualquer parte do mundo... “grita aí”, “batam palmas”, “pára” e “tira o pé do tchão”... pronto... Pelle fazia com a gente o que ele queria... e isso foi provado no “experimento” que ele propôs... “Grita aí!... pára... Grita aí!... pára! Grita aí e bate palma... pára!” e sem nem pensar duas vezes nós gritávamos e parávamos... Durante as músicas ele não parava quieto, rodava o microfone, pulava, abaixava, encarava toda platéia nos olhos (e que olhos *___*)...


Entre “yeahs” e vozes mais graves, ele cantou um setlist mais do que aprovado por mim...

Juro que não senti falta de nenhuma música, e eu, que tinha desistido de ouvir minha amada “A.k.a. I-D-I-O-T”, já que eles não cantavam mais coisas do primeiro cd, fui surpreendida quando ele disse que por ser a primeira vez ia cantar algo antigo... uma música sobre ele...e bang!!! Lá estava eu me esgoelado ao som da minha favorita e tomando umas pancadas da rodinha de bate-cabeça ao meu lado. Durante todas as músicas ele mandava beijos e sorria... sorria muito! Se tinha alguém ali mais feliz que os fãs, era o Pelle... A platéia só não sabia cantar a música inédita que eles tocaram “A thousand answers”, de resto o coro era lindo...!


Depois de “Two timing touch and broke bones”, Pelle anunciou que a próxima música seria a última... e então tocaram “Return the favour” e foram embora... mas tava na caaaaaaaaaara que era brinks com a galere... depois de algum tempo e de alguns gritos “The Hives!The Hives!”, Chris volta ao palco (com sua cara de cafa e cigarro na boca)... começa a tocar... os outro integrantes voltam e começa “Bigger hole to fill”... Todo mundo vai à loucura... logo depois vem aquela que não poderia faltar, “Hate to say that I told you so”, onde o público e Pelle fizeram um dueto... e pra finalizar..."Tick Tick Bom”... o dueto foi repetido... nós ficamos com os ‘ticks’ e ele com o ‘bom’...

E eles foram embora de fato. Não sem antes se abraçarem na frente do palco e agradecerem à platéia.


A melhor noite da minha vida, melhor show da minha vida... Não tenho nem como expressar a saudade que estou daquele momento. Só sei que toda dor nas pernas, hematomas, suor e dor de garganta de tanto gritar valeram a pena.



PS1: O Brancatelli se apaixonou pelas francesas... e eu pelos suecos! *__*

PS2: Tipo assim, de boa... não gritem "olê, olê... hivês...hivês..." é muito feio!

8 comentários:

Caroline disse...

Ah... não vou conseguir comentar... seu post tá ótimo Re!! Pra quem tava lá sabe q foi assim... e não sabe pq a gente gritava, batia palma e parava, hahaha!
E caceta hein... vai existir dois irmãos feitos pra estarem num palco lá em Fagersta!
Bjos!

Renatinho... disse...

Que foda, eu os vi na tv no show da multishow e já imaginava que seria assim, eles falando com o público sempre e talz, animados parecendo que tão com o... Bom, bom não, ruim que não os vi ao vivo, parece ser genial e muito foda..
Que bom que você não morreu né mana, não posso perder uma irmã sem antes mesmo de conhecer xD

PS1: Eu também me apaixonaria de brinks pelas francesas =P
PS2: Isso é muito horrível, não combina com quase nenhuma banda, unica que eu ouvi e que ficou legal é a do Los Hermanos...

BEIJAO MANA!!!

Douglas Funny disse...

Vc tava tão perto do palco assim??

... aposto q num dava pra ver os olhos doguri... e aposto q os meus são mais bonitos... tá!!

Pelo visto foi um puta dum show sapeka... magavilha!!

bjokas!!

Guilherme disse...

Foi o melhor show que eu não fui!!

Todo o dia eu ponho um chapéu de burro,e fico uns 10 minutos no canto me lamentando...

Muito bom o seu depoimento! Me fez lembrar de voltar para o meu canto com o chapéu! hehehe

Bjos!

Boninha disse...

"Hivês" é foda.

E eles são mó legais :D

Tatah Marley's Confissões disse...

nunca ouvi uma musica deles, mais tens alguma pra recomendar?
^^
beeeijos!
;*

-starlight disse...

Primeira vez que consigo ler tudo e comentar no seu blog, Rê.rs

“Grita aí!... pára... Grita aí!... pára! Grita aí e bate palma... pára!” - deve ter sido engraçado ver o Pelle no comando. Queria ter ido pelo menos na tarde de autógrafos *___*
bjos

Mary West disse...

Ai meu coração. Esse ano soh podem tá tentando me matar com tantos shows bãos de uma vez só. Amo The Hives cara, é phoda demais morar longe.