terça-feira, 10 de junho de 2008

Todo Carnaval Tem Seu Fim...

Como uma banda pode mudar tanto em apenas 10 anos?

Eles começaram com a proposta de um hardcore mais poético, mais romântico e melódico...
Acabaram misturando à fórmula batidas inspiradas no ska e no rock...
Acabaram virando uma banda pop, na trilha de um sucesso maior do que qualquer um poderia imaginar...
Depois abraçaram o carnaval, a melancolia, o refinamento...
Juntaram tudo isso ao samba...
E terminaram bossa-nova.

Pode um grupo musical que já sentiu o gosto de estar no auge do sucesso arriscar tanto e sempre soar diferente?
Pode um grupo de hardcore tranformar-se em bossa nova em uma década?
Pode um grupo tão indeciso influenciar todo um cenária musical?
Pode essa mesma banda ter o respeito e o prestígio praticamente unânime da crítica especializada?
E o principal: pode essa mesma banda ter uma base de fãs antes apenas vista em fenômenos como o Legião Urbana?

A resposta à essa pergunta está na ponta das afiadas línguas de Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Bruno Medina e Rodrigo Barba.

Num intervalo de apenas dois anos, eles gravaram duas demos, tocaram no festival independente carioca Superdemos e foram a grande revelação do Abril Pro Rock, assinando com a gravadora Abril Music e lançando o album homônimo em 1999.
Com guitarras distorcidas, uma bateria pesada, um baixo suingado, um teclado melódico e letras românticas, aquela banda era bem diferente de qualquer coisa já vista no Brasil.

Pronto.
Estava feito.
O grande público finalmente conhecia o Los Hermanos.

Com o sucesso bizonhamente grande de Anna Julia (gravada mais tarde pelo ex-beatle e lenda da música George Harrison) jogou a banda carioca às alturas. Também fez a gravadora esquecer os ritmos pesados que davam cara à banda e tacou a balada Primavera como segundo single.
A música capturou ainda mais fãs, mas afugentou outros que se sentiam traidos. Afinal, quem aquele bando de manés acha que é para sair do cenário hardcore underground e tentar fazer sucesso com músicas pops?
O terceiro single foi a pesada Quem Sabe, mas aí o mal já estava feito.
As músicas mais pesadas foram relegadas ao segundo plano... o público queria que eles tocassem apenas Anna Júlia, Primavera... Anna Julia, Primavera... e mais Anna Julia, mais Primavera...
Logo, até os fãs mais devotos já estavam cheios de tanta Anna Julia e tanta Primavera.

Assim como a banda.

Em 2001, sem o baixista Patrick Lapran (que saiu da banda por "divergências musicais"), a banda bateu de frente com a gravadora e lançou o Bloco do Eu Sozinho.
Um album com quase nada em comum com seu antecessor... mais arrastado, mais melancólico, com direito à uma crítica bem aberta ao mercado musical na genial letra de Cadê Teu Suin- e sem nenhum hit radiofônico.
Além disso, a banda tomou para si a responsabilidade de escolher o primeiro single, para não correr o risco da gravadora novamente tentar mudar a cara da banda.
Mas o público recebeu de braços cruzados a música Todo Carnaval Tem Seu Fim. Somando isso ao fato da gravadora se recusar a fazer uma publicidade decente ao novo trabalho, os Hermanos mal tiveram suas músicas tocadas na rádio. Seus shows esvaziaram tão logo começou a turnê, restando apenas alguns fãs mais fiéis que sabiam que a banda era muito mais que uma música de sucesso.

E quando vc não tem mais a publicidade necessária, o que resta é o velho boca-a-boca...
O que nesse caso foi melhor do que qualquer campanha de marketing!

Como se começasse tudo de novo, o Los Hermanos acabou criando uma base de fãs pequena... mas muito forte, que acompanhava a banda aonde ela fosse. Essa base foi aumentando cada vez mais, principalmente devido às ótimas críticas que o album vinha recebendo, saudando Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante como os grandes novos nomes da música popular brasileira.
Depois de uma aclamada apresentação no Fordsupermodels e no programa Luau, ambos transmitidos pela MTV, a banda se sentia pronta para o próximo passo.
O Los Hermanos era mais uma vez saudada como a grande surpresa no mercado nacional.
E dessa vez eles não iriam jogar essa oportunidade fora.

Com o fim do selo Abril Music, a banda migrou para a BMG e lançou o album Ventura.
Tido como uma continuação direta do Bloco, com um misto de rock e samba, o Ventura convenceu aqueles que ainda não acreditavam no talento da banda. Principalmente as rádios, que se renderam aos singles Cara Estranho e O Vencedor.
O album, além das vendas respeitáveis, ainda rendeu o DVD "Ao Vivo no Cine Íris".
A massa de fãs crescia cada vez mais, seja pelas músicas tocadas na rádio, seja pelos shows sempre memoráveis feitos pela banda.

Em 2005 chega às lojas o CD "4", onde a banda conseguiu se reiventar novamente.
Mantendo ainda alguns bons rocks, principalmente na figura de Rodrigo Amarante, a banda se rendeu definitivamente à bossa nova, na voz de Marcelo Camelo. Dividindo os fãs que gostavam do banquinho e violão de Sapato Novo e os fãs que preferiam a muralha sonora distorcida de Condicional, o album não passou despercebido, seja nas rádios (com o single O Vento), seja nas lojas (sempre entre os mais vendidos).
Mais do que qualquer coisa, o "4" mostrava que o caminho da banda era incerto.

Mas ninguém esperava pelo real futuro.

Em 2007, 10 anos depois de seu início, o Los Hermanos anunciou aos fãs um hiato indefinido.
O comunicado, divulgado no site da banda, caiu como uma bomba.
Diante da indecisão dos integrantes da banda, só havia uma coisa que os fãs podiam fazer:

Esperar.

E claro, criar boatos.
Foi muito dito que era o fim definitivo da banda, que havia acontecido um racha entre Camelo e Amarante...
Tudo foi, claro, devidamente negado pela banda, que insistia em dizer que não faziam idéia do que aconteceria, e que esse é o significado de "hiato inderteminado".

Surgiram os projetos paralelos.

Rodrigo Amarante lançou o CD "Carnaval Só Ano Que Vem", com a Orquestra Imperial, além de compor e fazer participações especiais no trabalho de vários artistas.

Marcelo Camelo participou do Acústico Sandy e Jr. Atualmente ele prepara o lançamento do seu trabalho solo (que deverá sair entre agosto e setembro), do qual duas músicas foram colocadas no MySpace do músico, mostrando o album voltado para o "banquinho e violão", como já era de se esperar.

Rodrigo Barba participou de várias bandas nesse meio tempo, como o Canastra e o Latuya, além de dar aulas de bateria.

Bruno Medina escreve para seu blog Instante Posterior, acompanha a cantora Adriana Calcanhoto em sua turnê e prepara um programa de televisão que planeja mostrar várias etapas da construção de uma canção, unindo artistas diversos que não se encontrarão na concepção da música.


Segundo as palavras de Rodrigo Amarante: “Agora o Marcelo vai lançar disco solo, então vamos esperar mais um tempinho. A gente vai voltar alguma hora, com certeza, só não sei quando”.
Bruno Medina faz coro: "Está acontecendo exatamente o que haviamos dito que ia acontecer. Algumas idéias só surgem ou se desenvolvem quando possuem espaço para tal. Acho que quando voltarmos será com certeza de um jeito diferente, e isso é a melhor coisa que pode acontecer para a banda. A renovação, em qualquer aspecto, é um processo saudável que deveria ser sempre bem-vindo. Acredito que boa parte dos nossos fãs entendeu que esse hiato será positivo. É a palavra 'indefinido' que assusta as pessoas”

Goste ou não, o Los Hermanos influenciou boa parte das bandas que surgiram depois de 1997, criou padrões a serem seguidos e mudou a cara da música brasileira.
Elevados ao patamar de "gênios musicais", eles souberam olhar o mundo sempre de baixo pra cima, com a humildade de quem está começando.
Talvez esse "hiato indefinido" seja o fim do grupo... ou talvez seja apenas um hiato indefinido.
Seja o que for, o Los Hermanos já escreveu seu nome na longa história da MPB.
Seja ganhando ou perdendo algumas batalhas, eles souberam arriscar.

Afinal, como já disse o próprio Marcelo Camelo...
Quem sempre quer a vitória perde a glória de chorar.

10 comentários:

Renatinha disse...

"O que?A Renata=inha comentando no meu post de Los Hermanos?"

E como não comentar no post que está fazendo eu me atrasar para a faculdade?
Um, Los Hermandos tem uma história mais longa e mais complexa do que já imaginei na vida...!
Bom, par mim eles eram a banda de Anna Júlia e Primavera...e claro, de Tenha Dó...
Bom, daí o placara ficava 2x1 pra não gostar deles...

Mas sinta-se orgulhoso Thiago Brancatelli...ou melhor... Eu iriei ouvir Los Hermanos.
Se você não estava errado quando ao Radiohead, acho que não estará quanto a eles também...

Além do mais... Os Strokes gostam. E eu gosto de Strokes! =P

Renatinha disse...

Humpf...Sorry... Escrevi muita coisa errada...é o sono...!

Renatinho... disse...

Los Hermanos eu não conheço nada da história, eu ouvia o "Ventura" e o "Perfil" que tinha as músicas que eu mais gostava...
Gosto bastante do que eu tenho deles, "O Último Romance" é a música que eu mais gosto, muito muito boa, faz com que eu ache uma exceção entre tanta coisa ruim que tem aqui no Brasil =P

Belo post, Los Hermanos são ótimos, Rodrigo Amarante gênio..
Abraços..

Douglas Funny disse...

Confesso q não sou fã de todas as musicas.. e dos últimos cds não ouvi muita coisa, mas o q eu ouvi é muito bom.

Só tenho primeiro cd em casa, e ainda sei cantar muita coisa de lá.. hehehehe..

Realmente eles marcaram muita coisa viu!!

Luciano disse...

Aeeee eu sou o milésimo a entrar no blog!!!
O que eu ganhei????Hein? Hein? Hein?

matheuss disse...

é sério, o cara é um gênio, gosto de toda a carreira do los hermanos a partir do egundo cd...
anna julia era uma merda dançante e primavera uma canção normal que eles podiam superar e superaram
adorei um post sobre os los hermanos :)

Alice disse...

eu gosto de Los Hermanos, mas é pouquinho.
=x
Calma, não me atira pedras...

Então, 10 anos é muito! Há dez anos atrás eu tava aprendendo a multiplicar e dividir, hoje estou na faculdade!


xD

Thiago Borges disse...

É realmente espantosa a evolução do Los Hermanos, adoro todos os discos.

Mas a mudança mais espantosa que eu ja presenciei foi a do Nirvana: Em apenas 04 anos eles lancaram 03 discos completamente diferentes, completamente ótimos e inovadores, e ainda acabaram no 1º lugar do ranking como melhor banda e disco dos anos 90.

Grande abraço

Thiago Borges disse...

ha desculpe por mudar completamente de assunto hehe

Mary West disse...

Oi? ODEIO Los Hermanos. Problemas mais pessoais do que relacionados a banda em si...Hummmm