quarta-feira, 25 de junho de 2008

Móveis o quê??? Da onde???

A noite não parecia das mais promissoras.

Em primeiro lugar, a cerveja do Coppola Music é MAIS que 5 reais. Depois, a primeira banda da noite (que eu prefiro não citar o nome) empolgou um pouco apenas numa versão xinfrim de O Vencedor, e passou o resto do show escutando o público gritando "toca Pierrot!!!". Somando isso ao fato de eu não ter comido nada o dia todo e de termos ficado mais de duas horas e meia de pé em um frio bizonhamente doloroso, esperando as portas do Coppola se abrirem 2 horas depois do horário anunciado no ingresso... bem, nós não estavamos muito felizes.
Tudo bem, podem me chamar de chato, de cri-cri, de sem-graça...
"Ah, mas esse Brancatelli é muito fresco, jesuis!"...

Mas tudo isso é só pra mostrar a surpresa que eu tive no segundo e principal show da noite.

Eis que surgem no palco 9 caras...
Sim, eu disse 9 CARAS... em um palco até humilde.
Tocando uma mistura de rock, ska, samba, funk, salsa... com os 9 malucos que formavam a banda Móveis Coloniais de Acaju dançando e correndo pelo palco como se estivessem possuídos pelo ritmo.
E eu estava lá embaixo, olhando aquele caos generalizados, e me sentindo completamente contagiado por tudo aquilo.
Apesar do pequeno espaço e da música cheia de metais e outras coisas que devem entrar de maneira sincronizadíssima (são dois sax, uma flauta, um teclado, uma guitarra, uma bateria, um baixo, um trombone e um vocalista), eles não tocavam parados, limitados cada um ao seu quadrado. O palco era de todos, numa confusão que contrastava com a música perfeitamente executada.
E que música! Seja indo de Los Hermanos (Do Mesmo Ar) a Ray Charles (Swing Hum e Meio) ou de Froid (Seria o Rolex) a Kafka (Gregório), a banda conseguia NÃO se perder no meio de tantas influências, criando letras inteligentes e bem-humoradas unidas com ritmos divertidos e empolgantes.
E a felicidade deles enquanto tocavam... impressionante como é perceptível quando essa "felicidade" é mecânica e quando ela é sincera. E a sinceridade do Móveis é algo quase palpável, seja na felicidade em tocar em um palco minúsculo mesmo depois de já ter tocado em festivais prestigiados ao lado de bandas como Weezer, Ultrage a Rigor, Magic Numbers e outras, seja no amor que sentem pelas suas músicas que eles já vêm tocando incansávelmente desde 1998, ainda que tenham lançado apenas em 2005 seu único CD (chamado Idem) e que teve, em seus primeiros 10 dias, 2 mil cópias vendidas, ou seja na interação com seu público. Como disse minha amiga Renatinha, uma das melhores coisas do show era o sorriso do vocalista André Gonzáles.

Saindo do Coppola naquela madrugada congelante, cansado, com fome e tendo gasto 20 reais em duas míseras cervejas, eu só conseguia me sentir extremamente satisfeito.
Satisfeito por ter assistido um show sensacional.
Satisfeito por ter gasto meus últimos 15 reais no CD do Móveis Coloniais de Acaju.
Satisfeito por ter um assunto bem bacana sobre o qual escrever aqui no Two Cold Fingers.
Mas principalmente satisfeito por lembrar que existem sim bandas que não tocam com a cabeça no dinheiro, e sim com a música no coração.

No meu post anterior, a minha amiga Mary West comentou que anda realmente sem vontade de conhecer bandas nacionais.
Nesse aqui, eu peço encarecidamente que ela encontre essa força de vontade.

Porque tem muita coisa boa que merece uma chance, e o principal vilão da música popular brasileira de qualidade é o próprio público brasileiro...

9 comentários:

Boninha disse...

Brancateeeeeeelli!!!!

"Mas principalmente satisfeito por lembrar que existem sim bandas que não tocam com a cabeça no dinheiro, e sim com a música no coração"

Eles são tããããão animados e divertidos e legaaais! Confesso que eu esperava menos, viu? :D

Beeeijo

Renatinho... disse...

É bom demais, me animo MUITO escutando até em uma noite escura, sombria e chuvosa em casa *-*
Eu vim conhece-los só em maio, uma semana depois que eles fizeram um show aqui =/

Sim, existe banda nacional boa, mas é muito difícil encontrá-las =S
Lendo o blog eu já conheci uma banda britânica pela minha querida irmã gêmea, agradeço vocês também =P
Dessa vez eu conhecia mas na próxima pode ser diferente, sou leitor assíduo daqui 8)

Beijos e abraços

Caroline disse...

Nossa! Não acredito! Dia desses tava lendo o line up de algum festival que tem na Bélgica (ou Luxemburgo, sei lá, daqueles países lá no meio da Europa sabe?)e vi o nome desses caras no meio. Só lembro q pensei: gringo é td estanho mesmo, nome em português?? Hahahahaha!
Agora fiquei MT curiosa pra ouvir!
Bjos!

Mar e Ana disse...

Eu ouviii! O Tchelo mandou umas músicas, inclusive a Gregório.
É mto bom!
Esses dias teve em Maringá um festival de bandas e veio uma que eu esqueci o nome, lógico, mas não era Móveis... D qquer forma, a banda era ótima tbm e a gente não ficou parado um segundo porque era o tipo de gente que toca feliz de estar tocando, não só por dinheiro!

:***

matheuss disse...

nossssa, é sério, isso aqui me surpreende, quando eu acho que não tem mais nada interessasnte pra falar surge o Móveis por aqui, gosto muito deles, fazem um som bem legal de ouvir e beeem contagiante mesmo... adoro ler teus posts sobre shows.
ah, eu disse que is falar , e babe é a melhor música do danniel e os coraçãoes em fúria :D

Douglas Funny disse...

num conheço... era essa banda q vc falou q eu ia gostar??... e vc tem um cd??... tá.

abraço.

Marcelo Macedo disse...

Nossa, como o Brancatelli é chato, cricri e fresco, jesuis!

hahahah

Que bom que gostou. Sabia que a presença de palco deles iria te impressionar assim como me impressionou em 2005, qndo vi essa banda pela primeira vez ao vivo (e sem ser ao vivo tb, enfim).

Uma vez o Velho Punk falou dessa banda como sendo "uma das melhores do Brasil, hoje"... achei um pouco de exagero na hora, mas pensando bem, ele ta coberto de razão. E de pêlos.

Beijos e... ahm.... parabéns! =D

Mary West disse...

Opa! Tá bem tá bem, ganhando um puxão de orelha assim eu até me esforçarei então! Dá preguiçaaaaaaaaaaa, mas juro que vou procurar conhecer esta iguaria. ;)

Alessandro Lima disse...

De longe o Móveis foi a melhor recomendação que o LastFm me fez em todo meu scrobling.

Copacabana é uma música interessante como poucas coisas novas que ouvi recentemente.

Tem letra bacana. Melodia Bacana. É inovadora. E cativante.

Mal posso esperar para ir num show deles !!!