segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Cicatrizes


"Ninguém ouviu suas lágrimas; o coração é uma fonte de águas chorosas que não fazem barulho no mundo."

É com essa frase, do poeta Edward Dahlberg, que o quadrinista e ilustrador de livros infantis David Small usa para definir (e talvez até perdoar) sua mãe no final da HQ autobiográfica Cicatrizes, provavelmente o melhor lançamento do ano passado aqui no Brasil.
Passando por sua infância em "uma casa onde o silêncio reinava e falar o que se pensava era proibido" - como o próprio autor desabafa em certa parte - até chegar à idade adulta, Cicatrizes mostra cada evento que moldou o homem que David Small viria a se tornar. Da loucura hereditária à descoberta do talento artistico. Dos problemas no nascimento às suas consequências. Das agressões psicológicas da mãe e do descaso do pai à sua própria redenção.

Ao ler isso que eu escrevi, talvez pareça que Cicatrizes é uma obra pesada, de difícil digestão... o que não está muito longe da verdade.
Mas o diferencial está no traço e na leveza de Small em contar suas próprias tragédias, não com o tom choroso e sentimental que se espera, mas com uma sutileza rara, criando em meio ao pesadelo que foi sua infância momentos até divertidos.
Vale destacar a destreza com a qual o autor passeia tanto pelo mundo real quanto pela sua imaginação e seus sonhos, surpreendendo que alguém que tenha sido criado por pessoas tão frias e egoístas possa ter tanta poesia e sensibilidade dentro de si. Sem encher as páginas de textos, Small prova ser dono de uma narrativa perfeita, que consegue se sustentar muitas vezes apenas por seus desenhos. A sequência em que David foge do bullyng de outras crianças e se refugia em seus próprios desenhos é fantástica, para dizer o mínimo. Assim como o momento em que, na sua primeira consulta com um psiquiatra, ele finalmente de depara com a verdade que definiu toda sua vida. Impossível sair ileso daquelas páginas.

Mas é tudo um aperitivo antes do grande momento da obra, um sonho contado em suas últimas páginas, que consegue simbolizar toda a vida do desenhista.
Contar qualquer coisa sobre esse sonho seria o bastante para diminuir seu impacto, mas basta dizer que apenas esse trecho já é o bastante para definir Cicatrizes como uma obra-prima moderna.

A HQ Cicatrizes é, sobretudo, um tratado sobre a loucura.
E da insanidade absurda que foi sua infância, David Small sobreviveu e criou do seu desabafo pessoal um pequeno pedaço de arte.

Porque a verdadeira arte é escrita com sangue e lágrimas, de cicatrizes que nunca realmente se fecham..

Um comentário:

Willian disse...

Bom, costumo confiar na opinião do Branca. Vou dar uma procurada por essa HQ