quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Num Bar


(em homenagem ao emprego de roteirista que eu não consegui ontem...)

Um bar
Dois caras sentados, copos de cerveja na frente deles
Eles conversam e bebem

- Cara, lembra que o apressado come cru, mas o atrasado não come nada. Ela não vai ficar lá a noite toda, e muito menos sozinha.
- Frio.
- Que?
- O atrasado come frio. Quer dizer, depende. É uma festa? Quanto tem de comida?
- Foda-se quanto tem de comida! O que importa é que aquela garota não vai ficar esperando você resolver ir falar com ela.
- E o que eu posso fazer?
- Como assim, porra, “o que eu posso fazer”? Desse jeito parece que você nunca chegou numa garota.
- . . .
- Ah, meu Deus, você nunca chegou numa garota?
- Sei lá, não desse jeito. Quer dizer, não em uma completa estranha.
- Uma estranha? Faz uma hora que você ta sentado aí olhando pra ela. Deve conhecer a garota melhor que a mãe dela.
- Não é assim...
- Já ta na hora de conhecer ela melhor que o absorvente dela.
- Primeiro, isso foi nojento. Segundo, até hoje eu só saí com amigas, ou com amigas de amigas, ou com conhecidas, sei lá... nunca fui na cara de pau conversar com uma garota completamente estranha, saca!?
- Cara, ta nas suas mãos. Vai lá, senta do lado dela, oferece um drink. Puxa papo, pergunta o que ela faz da vida... sei lá, improvisa.
- Tsc, mas pra que tudo isso?
- Porra, pra ela se iludir achando que você é um cara legal e... bem, usa a sua imaginação.
- Não, não isso.
- O que?
- De que me serve tudo isso? Chegar nela, trocar um papo, levar ela pra cama... de que adianta? Quantos namoros você conhece que começaram num bar?
- Desculpa, eu parei de te ouvir na metade. Como assim, de que adianta levar uma bela garota pra cama? Você ta aqui procurando a mulher da sua vida, por acaso?
- Se você quer saber, com a minha idade é exatamente isso que eu devia estar fazendo.
- Ótimo, chega na garota com esse papo e você vai conseguir exatamente o que você quer: NÃO levar ela pra cama!
- É sério. Sabe, eu realmente pensava que a Mônica era A mulher da minha vida. Eu imaginava a gente casado, com filhos, talvez um cachorro. Agora eu me sinto perdido.
- Cara, a mina te abandonou. Claro que é trágico, triste, snif snif... mas a vida continua, goste ou não. E pra ser sincero, sexo é EXATAMENTE o que você precisa agora.
- . . . certo. O que eu faço?
- Ok. Vai lá, pergunta se ela ta esperando alguém, ou alguma coisa do tipo. Daí isso nos leva a 3 casos.
- Certo.
- Caso 1: ela pode usar um tom grosso pra te responder. Nesse caso, seja sim ou não, vira as costas e vai embora. A vagaba não merece seu tempo.
- Hmm.
- Caso 2: ela pode ser simpática, mas ainda assim responder que sim. Daí...
- Eu peço desculpas e vou embora.
- Hããã, não, senhor bom garoto... daí você insiste mais um pouco. Existe sempre a chance dela estar se fazendo de difícil. Diz algo como “e será que eu posso te fazer companhia até esse alguém chegar?”, algo assim. Se ela disser que sim, você tenta sua sorte.
- Entendi.
- Finalmente, ela pode responder “não”... o que significa “senta aí, me enrola por 10 minutos e vamo pra sua casa/motel/banheiro”. Nesse caso, é só questão de você não fazer nenhuma cagada e pronto.
- Certo. Acho que consigo passar 10 minutos sem fazer nenhuma cagada.
- Vou estar aqui cruzando os dedos por isso.
- Me deseje sorte.
- Te desejo sexo.

Ele levanta e vai na direção da mulher, enquanto o outro permanece sentado, bebendo
Segundos depois, ele volta, todo molhado, e senta novamente
O amigo apenas olha, com uma expressão calma

- . . .
- E aí, o que ela ta bebendo?
- Hmm, pelo gosto parece ser vodka com alguma coisa. Suco de pêssego, talvez.
- A garota tem bom gosto, pelo menos.
- Pois é... vem cá, posso te pedir uma coisa?
- Claro.
- Da próxima vez, lembra que existe uma quarta opção.
- Vodka na cara. Pode deixar, já ta anotado.
- Valeu.
- Agora relaxa e bebe um pouco. Ô amigão, vê duas caipiroskas de pêssego, faz o favor...

.

4 comentários:

Renatinho disse...

Cara, alguma hora você conseguirá algum bom trabalho. Ta na cara que você tem talento, o que mais gosto no blog é quando tem indicação de alguma banda (que a mana nunca mais fez *rolleyes*) e seus textos sempre divertidos e que me tiram a atenção de tudo que estou fazendo ao mesmo tempo na internet.

Agora sobre o texto, foi ótimo! Me identifico em algumas partes em uma época atrás e, é tão real esses dialetos em um bar!

Abrasssss branca

Fonsito disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fonsito disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fonsito disse...

Meu velho... é sua cara.... e branca, relaxa meu velhom de tempo ao tempo, é foda que parece que estamos ficando velhos, mas as vezes ainda somos imaturos na visão mercadologica maldita...
acho mto facil sua leitura e consigo imaginar muito... nesse texto pelo menos vi uns 5% de pavão, 10% de vitinho, 15% de Alf, 20% de branca e os outros 50% do Sr. Guto... heuahueaheuha... ooo saudade meu querido!
Abração