domingo, 6 de dezembro de 2009

Ensaio Sobre a Música


(Exclusivamente nesta semana, eu - o Brancatelli, prazer! - vou postar hoje, enquanto que a Renatinha vai postar na quinta-feira. Semana que vem tudo volta à programação normal...)


Engraçado, por eu escrever em um blog sobre música, vez ou outra algum maluco pergunta: "mas vem cá, Brancatelli, o que diabos a música é pra você, hein?"
E eu acabo soltando aquela resposta ensaiada, sem pensar muito, apenas para fingir que eu entendo alguma coisa: "ah, tipo assim... porra... música é tudo, saca...!?" E acaba assim, com um certo mistério, com o resto do pessoal balançando a cabeça com os olhos semicerrados gruindo um hmmmmmmmmmm não muito satisfeito, mas compreensivo.

Em 23 anos de vida, eu finalmente refleti sobre isso!

Música é...
Tipo assim, porra, música é tudo!


Eu ando pela rua com uma canção na cabeça.
Tenho minha própria trilha-sonora mental, minha própria música-tema.
Crio melodias no ritmo dos meus passos, penso em músicas ainda não criadas, em letras nunca compostas.
Meu humor da o tom daquilo que eu me sinto à vontade de assoviar.

Eu entro no meu carro, e o som do motor é substituído pelo CD que eu escolher ouvir.
Crio a seleção que me der na telha, posso ouvir de Nirvana a Chico Buarque, de Beatles a Libertines, de Justin Timberlake à Regina Spektor...

Eu vou ao cinema e assisto a um documentário sobre o rei do pop, ou a um romance regado pela melhor trilha-sonora, ou a um sem-teto esquizofrênico ex-estudante da conceituada universidade Julliard e prodígio em música clássica.
Eu chego em casa e assisto aos Beatles tendo uma noite de um dia difícil, ou ao Woody Allen mostrando sua visão da Era do Rádio.

Eu entro na Internet e procuro notícias sobre músicas para colocar em um Twitter sobre música e coisas para comentar em um blog sobre música.
Entro no YouTube e posso assistir a centenas de vídeos de shows, clipes antigos e tudo o que possa envolver música... aliás, ouvi dizer que tem até gente que BAIXA música pela Internet!! O.O

Eu abro um livro e leio as citações musicais de um Nick Hornby ou de um John O'Farrell.
Eu abro uma HQ e leio uma das melhores histórias em quadrinhos que eu já pus as mãos, escrita pelo Gerard Way, vocalista do My Chemical Romance, na qual uma violinista pode destruir o mundo com alguns acordes.

Eu deito na minha cama, e tenho um novo segredo para matar minha insônia: eu fecho os olhos e repito mentalmente a mesma música, inúmeras e inúmeras vezes, até a letra e a melodia começarem a embaralhar. Quando embaralham, eu começo de novo, até que a música torne-se apenas como pano de fundo do meu sub-consciente... e eu apago.
Pelo menos funciona algumas vezes.


Quando eu digo que a música é tudo, quero dizer que ela não se limita àquilo que escutamos em um fone de ouvido.
Ela está nos nossos iPods, mas também nos filmes, nos livros, nas HQs, nas ruas, na TV e, principalmente, na nossa própria cabeça, para escuta-la quando bem quisermos.

Porque, por mais clichê que seja, a música está sim em todos os lugares...
Basta saber escuta-la.

3 comentários:

Willian disse...

Orra, eu também estou sempre com uma música na cabeça... maior parte do tempo, só com a música na cabeça e nem prestando atenção no que está ao meu redor. E sim, eu tenho uma trilha para cada coisa que acontece na minha vida.

Renatinha disse...

Ai, credo...
Música é muito chato.

Douglas Funny disse...

Depois de tantos e tantos anos estudando música, aprendi que, por mais que existam muitas variáveis, podemos divir a música em 3 partes...

MÚ - SI - CA.