quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Os Heróis de Hoje

"Nossos ídolos ainda são os mesmos..."
Belchior - Como Nossos Pais

Alguém aí se lembra de uma época em que nossos heróis eram realmente bons exemplos?
Engraçado perceber que os nossos “Super Homens” e “Mulheres Maravilha” de ontem são os “Pete Dohertys” e “Amy Whinehouses” de hoje.
Nossos heróis agora são drogados, de ética e hábitos questionáveis, rebeldes ou simplesmente “perdidos”.
Nossos heróis deveriam ser pessoas a serem seguidas... não deveriam?

Não é de hoje que elevamos essas pessoas à categoria de “heróis românticos”.
É só você pensar em quem seriam os nossos heróis no passado.

James Dean nos anos 50?
Jim Morrison nos anos 60?
John Lennon nos anos 70?
Steven Tyler nos anos 80?
Kurt Cobain nos anos 90?

Por que será que vemos o ato de se drogar, ou de ir contra o sistema, como algo romântico?
Por que será que adotamos pessoas assim como exemplos, ao invés de pessoas em quem realmente devíamos nos espelhar?
Afinal, estamos falando de pessoas que morreram no auge devido aos seus excessos, drogados e suicidas. E até hoje nós copiamos suas aparências, seus modos e estilos de vida.
Será que realmente não existiam exemplos melhores?
O que são, afinal, esses “heróis românticos”?

Na nossa visão, o herói romântico é aquele ser trágico, perturbado, que parece não se encaixar no mundo. O sujeito deslocado, que transpira poesia e arte.
Pete Doherty, por exemplo, parece um personagem saído de um livro do Oscar Wilde.
A imagem que passa é de uma alma sensível, poética, genial e livre, mas também amargurada, dolorida, auto-destrutiva e fora da realidade, vivendo em um mundo que criou, o único lugar no qual realmente se sente a vontade.
Uma espécie de Rimbaud atualizado, um Lord Byron, um John Wilmot.
Tudo isso em uma pessoa só.

Por que alguém iria querer ser assim?

A resposta é simples.
Todos esses espíritos rebeldes têm uma coisa especial em comum.
Todos esses “heróis românticos” atuais tiveram uma coisa fundamental para torná-los eternos...

Coragem.

Coragem de nadar contra a corrente, de andar contra o fluxo determinado, por mais clichê que seja.
De fazer aquilo que tem vontade, a hora que tem vontade.
Sem se importar com a opinião de ninguém.
A coragem de apenas ser o que quiser ser, ser aquilo que você é de verdade, sem ligar se é taxado de “estranho”.
Pq são os estranhos que se tornarão os exemplos de amanhã, sejam rebeldes ou não, sejam drogados ou não.
Os estranhos que se tornarão os heróis.

Um herói não é um herói por ser perfeito, sem falhas.
Um herói é um herói POR CAUSA de todas suas falhas.
São seus defeitos que o tornam o que o é.

E entender isso é o primeiro passo para se encontrar os verdadeiros exemplos a serem seguidos...

12 comentários:

Renatinha disse...

Engraçado que hoje em dia eu acho que é preciso mais coragem para ser um cara bonzinho do que rebelde...
De repente todo mundo resolveu ser do contra, ser junkie, 'walk on the wild side'...

Acho que a rebeldia tá muito banalizada...
Preferia que os heróis fossem aqueles que tem coragem, mas ao mesmo tempo fossem pessoas que fizessem algum bem pelos outros.

Vitinho disse...

Eu sou ingênuo. Na minha época, anti-herói era Macunaíma =/

Mar e Ana disse...

Bonito o q vc falou sobre ser heróis... mas concordo com a Re que pra ter bom caráter e fazer as coisas se importando com os outros pede mto mais coragem do que não fazer...

:*

Douglas Funny disse...

aí é q está... será q, por exemplo, as drogas não eram exatamente a faísca pra atiçar a coragem desses nossos heróis??

Idolatramos aquilo que não tivemos coragem de ser??

... e se fossemos todos astros da musica, drogados e chapados, idolatrariamos o colarinho branco??

... q coisa complexa...

T disse...

Autenticidade marca esse blogger!
adorei!

adplayer disse...

Muito bacana o Post.

Eu estava escrevendo um comentário gigante, mas meu Firefox fez questão de travar e eu perdio tudo. =[

Como estou com preguiça,

Abs!

Kawai ♪ disse...

herois???
hm... e os herois reais??
hehe

Vou postar uma musica minha ainda hoje se der ta?
hehe
grande beijjooo!!!

matheuss disse...

por que o ruim é o que presta.
gente boa não é legal.
assasinos são style.
ainda mais, assasinos de si mesmo.

Guilherme disse...

Por isso que meu primeiro herói na música foi o Juninho Bill!

Mary West disse...

Eu muito me abstenho desses pseudos herois, não vejo como admirar alguem que se afunda em drogas, é muito controverso p/ minha cabeça.

fran disse...

Por isso que meu herói é o Chapolin Colorado. E só.

J@CKSON disse...

belo blog