segunda-feira, 20 de setembro de 2010

It's tough to have a crush - Parte 1

Enquanto o Brancatelli estava procurando o sentido das coisas, eu estava tendo o fim-de-semana mais absurdamente fantástico da minha vida.

Vocês já leram aqui nesse blog meu texto sobre o Ok Go, certo? Vocês, como pessoas bem informadas que devem ser, sabiam que o Ok Go veio para o Brasil. 2 shows: SP e PoA.
Eu estive lá. Nos 2. E foi a melhor decisão da minha vida.


Foram dias e dias de preparação: compra de ingressos, reserva de hotel, passagem de avião... mas finalmente, pós uma apresentação no flopado VMB, eu iria estar cara à cara com o Ok Go.
Eu nunca fui atrás de ver como a banda era ao vivo, acho que eles são tão legais, que sempre presumi que eles seriam legais no palco também... mas eu estava errada, eu ainda ia descobrir que eles não são legais no palco...
São MUITO mais do que isso.

Eu vou TENTAR colocar em palavras o quantos os shows foram incríveis, mas já adianto que provavelmente irei falhar.


Sexta-feira. São Paulo. Estúdio Emme.
Entramos por volta das 23hrs, mas o show começou quase a 1h. A banda tem muitos instrumentos e todos são afinados por eles mesmos, então vinha o roadie, pegava uma guitarra, levava no camarim, eles afinavam e o roadie trazia de volta. Multiplique isso por umas...16 guitarras que tem no palco e você entenderá o motivo da demora.
A questão é que, quando começou aquela música que anuncia a entrada da banda, nada mais importava.

Eles entraram... Andy com seu copo de whisky brindando com a platéia, Dan com um sorriso, Damian sorrindo com jeito de rock star e Tim todo simpático.
O setlist já começou anunciando que ia chutar bundas... "Invincible".
Eu não podia acreditar naquilo... era o Ok Go, sempre achei que a chances de vê-los no Brasil seria zero. E lá estava eu, com uma distância minuscula do palco, cantando Invincible.
Depois veio uma música do novo cd que eu não conhecia, "Needing/Getting". Mesmo não conhecendo, lá estava eu... embasbacada, com o show e com, não posso deixar de mencionar... a beleza absurda do vocalista, Damian Kulash. Ok, eu já sabia que ele era bonito... mas preciso dizer, ele ao vivo... nossa.
Depois dessa música, veio "A Million Ways"... sério... não tinha como ficar parado ou se esguelar naquele show. Depois, "All Is Not Lost"... e quanto mais eles tocam músicas do cd novo que eu nem gostava, mais eu gosto delas... ao vivo elas funcionam tãããão bem, sensacional.

Não vou falar todas as músicas, mas eles acertaram a mão totalmente. Não faltaram as músicas fodas dos cds anteriores e colocaram músicas legais do novo... setlist impecável.
Aliás... falando em setlist...


Sim, esse é um setlist na folha com marca d'agua do Ok Go e... ah, é... autografada pelo Dan, baterista da banda.

Mas esse setlist teve uma pequena modificação, não me pergunta entre extamente quais músicas porque eu estava em choque quando isso aconteceu...
Eu e minhas amigas temos uma paixão absurda por uma música que é b-side láááá do começo do Ok Go, antes mesmo do Andy entrar na banda.
Essa música se chama "It's tough to have a crush".
Nos dias antes do show, brincamos dizendo que pediriamos para eles tocarem... no esquenta para o show acabamos escrevendo na parte de trás de provas de espanhol plaquinhas pedindo a música.

Em um certo momento, quando eu já achei que acabariamos nem pedindo nada, o Damian abaxou para arrumar algo e minha amiga Jojo o chamou e começou a mostrar as plaquinhas.
Ele começou a ler e brincou dizendo que eles não costumam aceitar pedidos, porque os fãs são "puppets masters" e que fazia tanto tempo que eles não tocavam essa, que ele nem lembrava. Algumas pessoas aproveitaram o momento e começaram a pedir "Ccc-cinnamon lips".
Nisso o Damian começou a dizer que como estava no Brasil, ia abrir uma exceção para pedidos de músicas e perguntou para o Tim se ele lembrava como tocar, mesmo com a negativa dele, o Damian disse: "Eu toco e você canta" e foi pegar o violão.
Eu estava crente que eles iam tocar Cinnamon, porque muita gente estava pedindo... quando ele começou a tocar It's tough... eu juro que não podia acreditar... eu quase chorei de verdade e mesmo com ele se enrolando com algumas palavras... foi incrível. Eu não conseguia parar de gritar "Thank you" depois do fim da música.

Minha mão, meu ingresso e parte das plaquinhas.

A interação com a banda era ótima, Damian presta muita atenção em tudo que acontecia e interagia de forma absurda com o público.
Ele falou em português, se chamando de gringo idiota e tudo mais, pediu interação em certas músicas e desceu no meio do público mais de uma vez.
Sim, eu berrei o trecho de "This too shall pass" que flopu no VMB a plenos pulmões com o Damian do meu lado. Foi surreal.

Destaque também para quando eles cantaram "What to do" com os sinos. Foi lindo, muito lindo.
Ok Go não tem aqueles palcos milionários, mas eles conseguem transformar a experiência do show deles em algo tão absurdo, eles foram de longe a banda mais genial que vi ao vivo. Sim... de todas. TODAS.
Outra coisa bacana foi que eles trouxeram elementos do passado, foi bacana. Eles nunca estiveram no Brasil e lembraram disso na hora de montar o show.

Quando eles voltam para o bis, eles estão com suas jaquetas com led. Eles se posicionam e elas formam o nome da banda e depois durante as músicas, ficam aparendo carinhas nas luzes.

Em "Here it goes again" Damian chamou uma menina que ele acreditava estar empolgada com o show no placo para tocar a guitarra dele durante um trecho da música, mas o que ele não sabia era que ela era uma bêbada que estava atrás da gente e parecia nem saber direito quem a banda era e só sabia dizer "me pega, me beija" para ele.
Bom, ela levou a idéia do beijo a sério e tentou beijar ele na boca. "Noção, não trabalhamos.". Damian afastou ela e tentou fazê-la tocar a guitarra, ela nem queria saber de nada. Por fim, ele abraçou e deu um beijo na bochecha dela e chamou alguém que foi capaz de tocar e aí sim foi bem legal.
A atitude dessa garota mostra que ela não é fã de Ok Go, desculpa. Um comportamento totalmente oposto a postura da banda.
Sim, o Damian é lindo e tudo mais, mas no show não é isso que deve contar.
Mas fora essa pessoa, o público estava beeeem legal.
Não tinha grades, mas ninguém se empurrava, as pessoas sabiam cantar muitas da músicas, as pessoas interagiram com ele e tiveram tanta preseça de espirito quanto a banda. Foi bonito de ver.

Depois do show, nós estavamos esgotadas. Não sentia minhas pernas, estava suada e só conseguia pensar que há algumas horas eu teria que acordar para pegar o avião para PoA.
Ficamos um tempo para conseguirmos os sets e ver se a banda dava as caras.
Quando a gente olha pro palco e... PQP!
Era o Dan!
E todo mundo que estava ali, tava nem vendo... como assim? Era o Dan!
Famos até lá, a Jojo pediu uma baqueta e a Chris uma foto.
Ele entregou o setlist grudado na bateria dele para a Jojo e disse que já voltava para a foto.
Ficamos esperando um tempo, sem saber se ele voltaria.
Quando ele voltou todo fofo.
A Chris ajudou ele a descer do palco e ficamos conversando com ele.
Ele é AWESOME, como definiu bem a Chris.
Sério... falamos o quanto estavamos contentes e que esperamos muito tempo por aquele show, ele disse que eles também e que estava sendo ótimo tocar no Brasil.
Contamos que iamos no show de PoA e ele ficou super contente.
Tiramos fotos com ele e pegamos os autógrafos.

Agora, se você tem alguma dúvida do quanto eu estava feliz, pasma, louca, etc. com esse show e essa situação, é só notar minha cara de maníaca na foto com ele.

Nem olhar para foto eu consegui! haha Eu olhava para as meninas muito "pqpqpqpqpqpq, eu to com o Dan!".

Eu com certeza deixei de contar algo, sinto muito. Mas é que foi um show tão cheio de detalhes, que não tem como colocar tudo no papel/blog.

E ainda tinha muita coisa pela frente, mas a gente não fazia idéia...

Semana que vem, a parte 2 do texto vai contar como foi em PoA.

4 comentários:

Francine Guilen disse...

melhor. show. da minha. vida.

Chris disse...

PQPQPQPQPQPQPQPQPQPQP

Até agora não tou acreditando que tocaram it's tough. Quer dizer, não to acreditando em nada que aconteceu nos shows.

Eles são muito muito muito incríveis. Esses shows só mostraram que além deles serem uma banda sensacional, eles também são seres humanos incríveis.

Thiago Cruz disse...

Opa!
Valeu por contar! Há muitos anos sou fã da banda, mas fiquei sabendo do show em cima da hora e não consegui passagem. Seu relato ajuda a ter uma idéia.

Brigadão! Vou ficar esperando o próximo! (show e o próximo post).

Jojo disse...

MELHOR SHOW EVER! O conjunto (SP + PoA), né?
Inclusive vc pode escrever um post especial sobre o Damian puto com o roudie, arrancando todos os fios do amplificador e parando uma música logo no começo pq tinha ficado uma merda.

Ou sobre o Tim falando que na Argentina a galera cantava This Too Shall Pass melhor que a gente. HAHAHAHAHA
Pessoa na platéia pro Tim: Oh no, you didn't!
Tim: Oh yes, I did.